MENU

Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

Porsche desembarca na terra dos cangurus para uma final repleta de reviravoltas e a decisão final sendo feita na sala dos comissários.

 

A Porsche Super Challenge deu um pulo na cidade de Ventnor no estado de Vitoria na Austrália, o palco, foi o famoso autódromo de Phillip Island, famoso por seus fortes ventos vindos do mar que margeia a pista.

A etapa era o cenário ideal para uma final tão acirrada, as três categorias em aberto GT2, GT3 e GT4. A pista estreita, porem de alta velocidade, fez com que os pilotos redobrassem a atenção para evitar acidentes e assim passiveis de punição. Pilotos podendo ir do céu ao inferno em uma curva

QUALY
Elvis Reis - Scuderia Hydra pela GT2 marcou a pole com o tempo 1:24.772, seguido por Ernesto Brock - HVM Racing Team (+0.309) e João Hebert - M Tech Sports (0.472)
Alex Dance - Tacna Racing com o tempo de 1:28.087 marca a pole com o seu GT3, na segunda posição foi conquistada por Alexandre Oliveira - CTE Racing HVM (0.280) e no terceiro posto dos GT3 temos Felipe Reus - Scuderia Hydra 2 (0.703).
Finalmente mais não menos importante temos os GT4, encontramos John Martins - #268 Racing na primeira posição com o tempo de 1:34.929 em segundo Vinicius Oliveira - Cisco Air Racing 3 (1.432) e fechando o top 3 encontramos o piloto João Pedro - Cisco Air Racing 4 (1.591)

Qualy GT2

Qualy GT3


Qualy GT4

 
CORRIDA
Largada é dada o pano verde agitado e agitado foi a formação do grupo de trás da GT2, mais só um susto, teríamos 90 minutos para muitas coisas acontecerem, seguida da largada dos GT3 e mais atrás os GT4. Enquanto isso de camarote Elísio Netto - Cisco Air Racing assistia na saída dos boxes todos passarem pois carregava consigo a penalização de largar dos boxes, aonde teria que mostrar tudo que sabe e um pouco mais.
Lá na frente somente João Hebert que perde um posto indo para P4, enquanto lá na GT3 5 pilotos disputando o título, pressão imensa para os 5 pois tinham que passar pelos lentos GT4 e abrir espaço para os rápidos GT2. Já na segunda volta João Gabriel - CTE Racing HVM pela GT3 num ataque a Edgar Horst Jr - M Tech Academy, levou a pior ao perder o ponto de frenagem e ser tocado por Edgar e indo para na grama, mais vida que segue e retornou a pista. E na volta 5 o primeiro a ir do céu ao inferno foi Elísio Netto, pois de um título quase certo, viu ruir ao ter problemas com a conexão.
Ao completar um terço da prova, a briga na GT3 é acirrada, porem Alexandre Oliveira, mantem a ponta logo atrás e pressionando temos Felipe Reus e Bruno Strauss - Scuderia Hydra 3, fazendo trabalho de equipe com estratégia compartilhada para estarem sempre juntos e assim lutar pelo título, logo atrás observando tudo e esperando o momento certo temos Edgar esperando o melhor momento pra atacar, nas outras classes pilotos fazendo conta para ver a melhor volta para realizar o pit stop, momentos de maior tensão era quando tinham encontros de classes na qual tinham disputa interna de posição, no qual a negociação era complexa, já que ninguém estava disposto pra perder espeço pro adversário, porem a prudência e juízo de todos ainda falava mais alto e era resolvido de forma segura.
Mais um abandono na prova o Peruano, Alex Dance, ao sair dos boxes sofre com uma instabilidade, porem habilidosamente leva seu carro até uma área segura e causa amarela local, porem se viu forçado a encerrar sua participação na prova minutos após algumas volta tentando estabilizar a conexão.
Faltando pouco mais de 50 minutos para o fim do evento Elvis Reis perde a liderança geral pra Ernesto Brock, já que seu carro tinha avarias e ocasionou perca de rendimento.
Chegamos nos 30 minutos finais, um período sem grandes mudanças, os pilotos que disputam o título mantendo-se nas primeiras posições estudando as movimentações de seus adversários assim como num tabuleiro de xadrez, trocas momentâneas ocorrendo ora pra poupar pneu e combustível observando uma tática ora por infortúnio numa má negociação com retardatário. Outra baixa ocorre, quando o motor do GT4 de Achylles Junior - M Tech SimRacing deixa na mão, após ser afastado da etapa de Istambul devido a uma queda do forro de sua casa, porem com uma rápida recuperação pode estar presente na última etapa, infelizmente não podendo encerrar sua participação completando a prova.
Na regressiva de 28 minutos eis que agitada a bandeira amarela e o Safety Car é convidado pra entrar na pista, pois Hélio Vamberto, na entrada dos boxes perde o controle do carro e sofre uma batida no qual seu carro é jogado a pista e indo parar na área de escape, porem por estar numa área próxima a saída da curva, os procedimentos de segurança são acionados, rodada final de pits, todos buscando a melhor posição para a relargada, faltando 10 minutos, momento chave para quem quer o título.
Logo na sequência, João Hebert numa disputa acaba perdendo a linha e indo para brita, ao retornar, surge um aglomero, Marcio Rocha - Cisco Air Racing roda e
Marco de Andrade - M Tech Sports, acaba batendo em Marcio, porem tudo resolvido momentaneamente, já que logo mais à frente Guilherme Moresco - Duble Car Racing Team, também tem problemas com seu motor, ficando este num ponto perigoso e tendo por uma vez mais o Safety Car tendo que ir a pista.
Com 6 minutos para o final o cenário que encontramos é na GT2 Elvis Reis, Vinicius Gonçalves e Ernesto Brock – Vinicius levando o título. Na GT3 temos Bruno Strauss, Alexandre Oliveira e Edgar Horst Junior – Bruno Strauss é quem leva. Na GT4 John Martins, Luan Hott e Vinicius de Oliveira – John Martins levando o caneco.
A bandeira verde é agitada faltando pouco mais de 3 minutos. Definitivamente nenhuma categoria tem o campeão definido e em especial na GT4, já que um toque entre primeiro e segundo colocado, permitem que na soma de pontos os 3 primeiros no campeonato tenham a mesma pontuação.
Com 2 minutos João Gabriel e Tiago Maestrinho se tocam. No minuto final Ernesto Brock desgarra do traçado e Paulo Rodrigues toca e bate em Brock e assim Vinicius Gonçalves agarra o troféu de campeão. Na GT3 Bruno Strauss também segurando o troféu, pois um toque entre Felipe Reus e Edgar Horst Junior facilitou a vida de Strauss. Na GT4 John Martins segura o caneco, com as 2 mãos.

Race GT2


Race GT3

Race GT4

Protestos e Punições
M.de Andrade > B.Strauss - volta 34 - +20s N2 acidente
E.Horst Jr > F.Reus - volta 52 - Indeferido
E.Brock > P.Rodrigues - volta 53 - +20s N2 acidente
Direção > E.Horst Jr - volta 52 - +30s N3 batida pós corrida.

Carteira punitiva de pilotos.
Julio de Paula +7 pts
Elisio Netto +6 pts
Edgar Horst Jr +6 pts
Paulo Rodrigues + 6 pts
Marcio Rocha +5 pts

Helio Vamberto +4 pts
João Pedro +4 pts
Alex Dance +3 pts
Michel Oliveira +3 pts
Achylles Junior +2 pts
Marco de Andrade +2 pts
Elvis Reis +1 pt
Thallisson Santos +3 pts
Bruno Strauss +2 pts
Vinicius de Oliveira +1 pt
Wagner Bolis +1 pt


Pontuação
Pontuação GT2
Vinicius Gonçalves sai como campeão mesmo sem vencer nenhuma etapa do campeonato, mas sendo constante o tempo todo!
A HVM Racing Team sai com o titulo de equipes.


Pontuação GT3
Bruno Strauss havia saído com o titulo, mas um protesto contra ele no final da prova gerou uma punição o colocando da vitória para o quarto lugar no final, com isso o titulo ficou com Alexandre Oliveira no final.
A CTE Racing HVM sai como campeã


Pontução GT4
John Martins conquistou mais um titulo na VORC com 36 pontos, de quebra ainda trouxe o titulo de equipes para junto de si também.


E assim com o fim da Porsche Super Challenge que rendeu uma caixa de surpresas, a casa de Stutgart sai de cena para que a casa de Maranello, com a Cisco Air Ferrari Challenge

VT DA ETAPA.